Você não era o amor da vida dele

Acabou. Eu sei, tá doendo. Mas, se me permite um conselho, deixa eu te dizer uma coisa? Você não era o amor da vida dele.

Não, eu não tô com inveja do seu relacionamento. Eu quero te alertar, te ajudar. Prometo. Será que você deixa? Andei observando algumas coisas durante esses meses.

Posso te dizer, com certeza, que não era por ti que seus olhos brilhavam. Ou que seu sorriso surgia involuntariamente. Ele não associava músicas românticas a você. Não que ele não gostasse de ti. Ele gostava. Ele podia te dar uns beijos e abraços, mas não era pensando em você que ele ia dormir a noite. Ou acordar de manhã. Você era, pra ele, muito pouco do que merecia ser para qualquer pessoa.

Eu sei que você não se contenta com pouco. Ninguém deveria se contentar. Então porque se prender a relacionamentos vazios? Amor é uma via de sorriso duplo. Não único. São dois.

Por você, ele não se forçava a nada. Nem mesmo a ir na padaria da esquina, depois de uma semana sem te ver, pra te encontrar. E nem era por maldade, sabe? É só que você não era a famosa metade da laranja, a alma gêmea. Talvez ele nem acredite nisso. Talvez ele ache uma tremenda bobagem. Talvez ele tenha se acomodado. Mas viver acomodado não é viver, meu bem. É só existir.

Você pensava nele a cada milésimo de segundo. Até na fila do banco. Nas músicas de amor que tocam na rádio a caminho do trabalho. Vendo um casal de senhores na rua e imaginando vocês dois daqui a trinta anos. Você se sentia sortuda por ter alguém como ele. Ele não se importava, né? Mas você sim.

Mas quer saber? Estar com alguém que não quer estar com você é o mesmo que estar sozinha. É como beijar um fantasma, é como interpretar um papel de figurante na história de uma pessoa. Ninguém merece isso, não é mesmo? Eu sei que um dia você vai concordar comigo. Eu sei que um dia você vai trancar teu coração com senha. E a senha só vai saber quem te merecer por inteira.

 

Taurina, viciada em Greys Anatomy e Taylor Swift, estudante de direito por obrigação e escritora por amor.
Dona do Palavras e Clichês

Comments

comments

Talvez você goste de...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *