O pior cego é o carente

Provavelmente todos já passaram por isso e se não passaram, um dia irão passar. Depositar todos os seus sonhos e vontades em uma pessoa é uma decisão que precisa ser pensada com muito cuidado, pois é a sua vida que está em jogo.

Ando reparando muito nas pessoas ultimamente e percebo a necessidade descarada de ter alguém. Não que tenhamos que viver sozinhos ou morrer sozinhos, mas essa busca incessante e desgovernada por alguém é a maior causa do nosso sofrimento. Precisamos aprender a viver sozinhos, precisamos entender que em algum momento da vida passaremos pela condição de solitários, e que isso, também passará.
Não prestamos atenção nas pessoas. Não ouvimos as pessoas. Nós só enxergamos o que nos convém e muitas vezes somos derrubados por algo que nem existe, algo que nós mesmos inventamos e quando se revela, a frustração vem junto.

As pessoas estão namorando por carência, não por amor.
Esse é um dos maiores fatores que levam um relacionamento ao fim tão cedo. Temos a péssima mania de tentar preencher algo em nós, com outra pessoa, e isso não funciona. Quando namoramos por carência, tentamos preencher o peito com uma pessoa que não tem nada a ver com aquele vazio e não tem obrigação nenhuma de ser quem a gente quer que seja ou de dar o que precisamos. Porém, mesmo namorando, o carente não se sentirá completo. Cobranças excessivas por atenção e amor vão sempre estar presentes na relação pois a pessoa carente não necessita de algo de outra pessoa e sim algo em si mesmo que ela tenta cobrir com alguém.

O carente é cego e está sempre sujeito ao sofrimento. 
Como a sua alegria sempre depende da outra pessoa, que, como eu disse, não tem obrigação nenhuma de dar o que está em falta, o carente vê coisa onde não tem e sofre com as próprias paranoias.
Tem aquela regra de que não devemos ir ao supermercado fazer compras quando estamos com fome, porque compramos muito mais do que realmente precisamos. Isso pode ser usado também no amor: quando nos sentimos sozinhos e a carência bate, é comum não sabermos lidar com isso e é comum procurarmos qualquer relacionamento que possa parecer uma saída para esse estado solitário, mas os relacionamentos nunca dão certo e sempre acabam pelos mesmos motivos, a insuficiência.
Todos somos carentes de algo. Todos temos necessidade de algo, mas jogar a responsabilidade pra cima de outra pessoa é um erro grave e fazendo isso, estamos sujeitos à decepção. Relacionamento requer entrega, sim, mas com malícia. Ter um pé atrás ou pelo menos meio pé, faz bem para o coração. É lindo esses clichês “se jogar de cabeça”, “mergulhar fundo em um sentimento”, “errado é o outro que não retribuiu na mesma intensidade”… lindo na teoria, na prática não é bem assim. Não precisa ser frio ou menos intenso, tem que saber que a outra pessoa pode simplesmente enjoar de você, das cobranças excessivas, do sufocamento e sair a qualquer momento. Cuidado com a carência, ela inventa uma pessoa apaixonante, nos deixando cegos e nos fazendo criar planos em cima dessa pessoa, mas quando a realidade bate à porta, é o coração quem sofre.

Texto: Savio Fouly

 

Mineiro, apaixonado por música e literatura, arriscando-se inclusive a escrever algumas linhas.

Comments

comments

Talvez você goste de...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *