Carta do meu amor próprio

O nosso relacionamento é estranho.
Você diz que ama ser sozinha, mas me chama quando se sente só. E eu vou. E isso nem é uma reclamação, ok? Inclusive, obrigado por me chamar, porém agradeceria mais caso fosse assim também nos momentos em que você estivesse plena consigo mesma.

Você diz que não sente falta de um relacionamento sério, mas adora aquele que tem na sua série favorita e que por algum motivo faz você chorar quando os personagens jogam umas verdades que você odeia ter que ouvir, contudo aceita resmungando que eles têm razão. As mesmas verdades que você tenta esconder de si todos os dias e que eu insisto em te falar todas as vezes que você precisa conversar.

O tal do amor compartilhado, de que a felicidade só é plena quando dividida com outra pessoa. De como a vida não pode ser feita para ser só, ficar no singular. É feita de plural, do junto, do amor ao próximo sem pedir amor por isso.

A verdade de que o amor nem sempre é recíproco, mas que isso não é argumento para que ele não exista, afinal, ele nunca foi e nunca vai ser condicionado a qualquer critério ou regra.

O nosso relacionamento é estranho, mas nem por isso ele deixa de existir ou de ser bom o suficiente para nós dois mesmo quando alguém ousar em querer entrar. Às vezes você me engole goela abaixo, e tudo bem, eu aceito. Assim como eu também, vezenquando, me escondo de você propositalmente para que você fique um pouquinho perdida e se achando tola por isso. O fato é que você precisa de mim, e eu de você.

Mas isso não é argumento para você deixar de viver sua vida porque me tem ou porque acha que sou tudo que você precisa. Você não precisa ter medo de doar um pouco do que você tem para assim, quem sabe, por sorte ou descuido do acaso, receber um pouco do que o outro tem também. O nosso relacionamento é estranho, mas você faz parecer mais estranho e complicado ainda.

E, como eu disse, não precisa dificultar as coisas. Eu sei, também sou difícil, afinal eu sou o seu amor próprio, mas por favor, me compartilha com alguém.

Comments

comments

Talvez você goste de...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *