Você trouxe a vontade de me fazer se sentir apaixonado novamente

Estava tudo bem — não que agora esteja diferente —, a vida seguia sem muitas novidades. Só aquela
sensação de caminhar com passos firmes por caminhos confortáveis. Sem frio na barriga. Sem viagens
fracionadas e, divididas, com alguém especial no meu próprio pensamento. Uma vida de pequenas paixões
efêmeras; tirando as paixões independentes de alguém, claro: paixão pela vida profissional, acadêmica,
pessoal… “Um saco”, sem eufemismo, só constatação daquilo que é sem emoção romântica, sem nome
próprio, sem sobrenome que a gente tem vontade de colocar no nosso. Daí, você apareceu. Agora está tudo
ótimo. MARAVILHOSO.

Você trouxe a vontade de me fazer se sentir apaixonado novamente. De passar madrugadas conversando, de longe mesmo, você na sua casa e eu na minha, falando sobre como foi o nosso dia e, mandando fotos
aleatórias para dar mais sentido ao momento.

Você me falando dos seus sonhos, das suas vontades, dos seus
medos e, eu, querendo fazer parte de tudo isso; me projetando em sua frente, acariciando seu rostinho com
as costas da minha mão, dos meus dedos, teimando com a mecha do seu cabelo que disputa comigo a maciez
da sua pele, sentindo o sabor doce da maça do seu rosto. Projetando você deitada no meu colo, acariciando
a sua alma tão linda. Trouxe-me a vontade de reproduzir com você todos os clichês dos filmes que amamos
— tão substancial. De pegar emprestado aquele amor idealizado para a nossa realidade e, o concretizar em
risos compartilhados — tão utópico.

Depois de algumas experiências, algumas boas e, outras, às vezes traumáticas, dei preferência a ficar sozinho,
e não sou diferente de todas as outras pessoas. De vez em quando, precisamos de um espaço para organizar
a bagunça interna; quando você sempre foi dois e, de repente, se torna um novamente, fica muitos quartos
vagos no coração. Mas, nunca deixei de acreditar no amor verdadeiro, puro, desses que desejamos ser infinito.
Você, desde o primeiro dia, tornou-se um sonho infinito. Mesmo distante, até então, MEU-SONHOINFINITAMENTE-LINDO.

Você, com seu jeitinho especial, trouxe-me a vontade de dividir novamente os cafés da manhã, os da tarde e,
os da noitinha debaixo do edredom. Aliás, quero que os nossos dias sejam sempre assim: edredons para
colocar sobre a gente para encerrar a noite e tirá-los de manhã para começar o dia.

Então, vem cá… quero te fazer feliz devagarinho. Posso te buscar na saída do seu trabalho em dias de chuva
forte? Ou depois da faculdade para não voltar sozinha? Sozinha é uma palavra que não fará tanto sentido
quando estivermos juntos. Juntinhos. Eu quero sair de casa bem à vontade e passar no supermercado para
comprar a sua sobremesa preferida e, te ver comer feliz, no banco de passageiro, rindo por eu estar usando o
meu pijama assim, despreocupado. Acontece que as prioridades mudam, e, não ligo para o que as pessoas
possam dizer da minha maneira de gostar. A gente envelhece e afina as ideias e, percebe, que o gostoso da
vida é ser de alguém e, alguém, ser nosso. Não há um sentimento de posse aqui… não, é outra coisa. É uma
vontade de ser unidade com quem a gente ama. NADA MAIS.

Falam que amar assim é brega. Que demonstrar os sentimentos é démodé. E eu fico tão feliz por nunca ter
desejado estar na moda; visto-me de sentimentos simples e confortáveis, coração surrado, do meu jeitinho
cafona de caber em todas as estações; em todos os momentos. Mas, admito, quero te levar em – vários! –
restaurantes finos para te ver usando aquele vestidinho básico: preto, apertado, curtinho. De saltinho e batom
vermelho; talvez você vá gostar de me ver usando terno preto sobre preto. Fico legal assim, acredite. E, antes
de desejar tiras os tecidos que nos cobrem, quero tirar de você gargalhadas; lágrimas de felicidade; arrepios
de emoções tão únicas; razões que te farão acreditar no nosso amor, e te preencher de memoráveis
recordações.

O sentimento por alguém quando é verdadeiro chega como a vontade de dormir depois de muito cansaço, ela
vai nos envolvendo de mansinho e, sem perceber, estamos completamente desacordados; estou um pouco
cansado de relacionamentos rápidos, com você, quero adormecer no próprio gostar. E viver um sonho lindo.

Piaunense, criado e educado em São Paulo desde os primeiros meses de vida, então, pode-se dizer então que, é mais paulista do que nordestino, mas mesmo assim, ama suas raízes. No dia-a-dia é só mais um cara que olhando de longe, ninguém diria que é escritor e que fala de amor. O amor está em tudo e em todos, e ele diz que tem bastante para compartilhar com vocês.

Comments

comments

Talvez você goste de...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *