Sub(traída)

Depois de muito tempo sofrendo, chorando, você foi capaz de colar os pedacinhos quebrados do meu coração. Foi capaz de me fazer rir, de me fazer sonhar, quando tudo o que eu conseguia ter eram pesadelos.

Já fazia tempo em que eu não vivia na realidade. Meus pés nunca foram presos ao chão, mas suas mãos me puxaram de volta para a Terra. Pela primeira vez a realidade não me pareceu ruim. Pelo contrário, era bem melhor que aquela história de amor que eu estava tão acostumada a viver na minha cabeça.

Antes me contentava com olhares. Quando você chegou não precisei me contentar com mais nada. Podia pedir mais e doar mais. 

Eu te olhava nos olhos e você me dizia para relaxar enquanto apertava minha mão. Seus amigos diziam para você desistir, não se prender. Você fazia questão de ignorar todos eles, me abraçar forte e me pedir para não ir embora. Eu respondia que jamais faria isso. A última coisa que eu queria naquele momento era desgrudar de você. Mas nem foi preciso, não é mesmo?

Era esse o seu plano? Por que me pedir para ficar se suas malas já estavam feitas? E sem ao menos um bilhete de despedida em cima da cama.

Estranho mesmo é saber que, por mais que seus olhos demonstrassem o contrário, no fundo eu sempre soube o final dessa história, mesmo sem querer acreditar. Como um vento, foi tudo muito rápido. Mas o pouco tempo foi suficiente para bagunçar tudo.

Seria muito clichê dizer que sinto sua falta? Nesse momento é tudo que sinto.

Não vou dizer que preciso de você ou que sua partida tirou um pedaço de mim. Acho que não chegamos tão perto para nos completarmos. Talvez por não faltar pedaço algum quando você chegou. Na verdade, tudo foi uma questão de somar. Acrescentar. E olha, você acrescentou bastante. Sentimentos e sensações completamente desconhecidos. É disso que sinto falta. Da forma como nos acrescentamos. Do que me transformei com tudo o que você somou. 

Eu já não precisava acordar todos os dias e sorrir pelas mesmas coisas. Eu podia sorrir por você. 

Cansei de pensar e repensar, tentar achar um motivo pro fim de tudo isso. Resolvi aceitar. Continuo sendo a mesma garota que sempre fui antes de você aparecer por aqui. Sub(traída) de todas as coisas que você trouxe, mas todos os pedaços continuam aqui. Sonhadora como de costume, voltei a voar. Meus pés não sabem se sustentar sozinhos no chão agora que você soltou minha mão. E por todos os lugares que visito nessas minhas viagens pra fora da realidade, imagino se um dia você volta. E traz de volta todas aquelas incógnitas que acrescentou em mim, tá?

Taurina, viciada em Greys Anatomy e Taylor Swift, estudante de direito por obrigação e escritora por amor.
Dona do Palavras e Clichês

Comments

comments

Talvez você goste de...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *