Ela é o percurso entre a menina e a mulher

 

Ela é uma menina que, de menina, pouco tem. Ela é uma mulher que, de mulher, pouco tem. Ela é
o percurso entre uma e outra, sem definir onde uma acaba e, a outra, começa; ela é continuidade
da juventude e início da maturidade – o inverso, também é verdadeiro –, sobretudo. Ela não está
acostumada a mesmice; ela é a mudança.

Sabe que as pessoas mudam. Inclusive, ela própria não é mais a mesma de antes; já não é mais
a mesma menininha da escola; a moça da faculdade; a mulher do estágio, às vezes, remunerado
(é um sonho, não é verdade?, eu sei… mas, vai melhorar e você vai se tornar uma excelente
profissional); de amizades questionáveis, foge; mudou-se de um relacionamento furado que se
meteu. Por saber que as pessoas mudam, entende que quantidade não é sinônimo de qualidade
e, assim, prefere reaprender diariamente a amar as pessoas próximas; de corpo e alma.

Ela não deseja ter um número tão alto de pessoas a sua volta, só algumas, poucas, entretanto,
queridas. O suficiente para preencher o seu coração feito hostel; desde que mantenham a
organização dos sentimentos, sempre caberá mais um. Quando não se sente confortável em uma
situação, em algum lugar, não espera que façam mudanças para o seu conforto; ela se muda.
Ela é uma quimera de menina mulher. Ela é um sonho que nasce todos os dias e se transforma de
hora em hora; ela é o seu próprio sonho; se basta, se completa de pedacinhos de si mesma, que
se trincam em seus caminhos; que se completa de pedacinhos de pessoas que vem e vão.
Contudo, reconhece que para ser feliz é impossível viver sozinha.

No trabalho, ela se preocupa em produzir além do esperado, o inesperado, o algo a mais. Não faz
isso para querer chamar à atenção, mas chama involuntariamente, acontece que, transborda nela
as suas vontades e, em tudo o que faz, faz querendo renovação; se lhe pedem para fazer A, faz
A+B e, capricha nos mínimos detalhes para sair do óbvio; sonhadora demais para permear o senso
comum.

Já pensou várias vezes se escolheu o curso certo. Será que engenharia é uma boa escolha? Mas,
administração abre tantas possibilidades que, talvez, estudar artes não abriria – sempre tão
reflexiva. Quem sabe escolheu o certo mesmo, de qualquer forma, não ficará apenas com um curso;
ser farmacêutica é uma possibilidade linda; jornalismo combinaria com sua espontaneidade;
psicologia ajudará a se reconhecer; gastronomia enriquecerá seus jantares;… ou, não fará é mais
nada. Tudo bem, também.

Mora em São Paulo. Seu coração, nordestino. Não tem raiz na terra; ela é a própria raiz que se
desloca e se adapta. Não sabe se ficará aqui para sempre, pode mudar amanhã mesmo; ou não,
ficar aqui do lado de um amor seria tão bom… O importante é viajar e conhecer gostos novos;
culturas novas; viver aventuras novas; e, claro, rever sua família espalhada por aí.

Ela faz grandes mudanças. Para quem acha que um corte de cabelo não significa nada,
desconhece o valor da renovação. Tatua a pele, marca em si as suas histórias; tatua na gente o
seu sorriso motivador. E, em cada mudança, guarda sentimentos não tão bons em gavetas
esquecidas por detrás de sentimentos novos e frescos, feito café da manhã, que se faz todo dia.
Muda, frequentemente, a roupa da alma e, sempre está bem vestida de recomeços. Ela sorri
recomeços diários.

Como é difícil falar dela, uma vez que enquanto escrevo já se transformou em uma nova pessoa;
Ela que é você, que sou eu; Ela que é Natasha, que é João; que é filha e, também, que é mãe; Ela
que é tão nova; Ela que é tão madura; Ela que poderá ser qualquer uma, qualquer um; Ela que é
mudança diária e, na maioria das vezes, Ela que é irreconhecível por quem não a ama de verdade.
Que não compreendem suas várias transformações.

 

Piaunense, criado e educado em São Paulo desde os primeiros meses de vida, então, pode-se dizer então que, é mais paulista do que nordestino, mas mesmo assim, ama suas raízes. No dia-a-dia é só mais um cara que olhando de longe, ninguém diria que é escritor e que fala de amor. O amor está em tudo e em todos, e ele diz que tem bastante para compartilhar com vocês.

Comments

comments

Talvez você goste de...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *