Eu não sou o rótulo que você me deu

É engraçado ser uma mulher solteira e bem resolvida hoje em dia, parece que ser feliz sem precisar de alguém incomoda muita gente.

Qual o problema se sou livre? Livre é o termo correto para mim, sim.

Eu saio para beber aos finais de semana com minhas amigas em um barzinho, sim, e não vejo nada demais nisso. Passo a semana inteira trabalhando e, até onde sei, o dinheiro que ganho é para ser gasto com o que e onde eu quiser. Quando estiver a fim de alguém e quiser beijá-lo, eu o farei. Não estou vivendo esperando um príncipe encantado aparecer em um cavalo branco, não. Sinceramente? Eu nem acredito nisso. Eu estou aproveitando a minha vida, o meu tempo, enquanto não aparece alguém que consiga me amar e me aceitar assim, como sou. Você não achou que eu ia mudar para que alguém possa me aceitar, né? Espero que não! É importante falar: não quero mudar o modo como vivo, pelo contrário, quero alguém que esteja disposto a vivê-lo comigo.

Uma vez até tentei imaginar o que se passa na cabeça de quem gosta de dizer “fulana é tão piranha, pegou dois essa semana” ou “ela não serve para casar, só anda bebendo e em festas”. E só me veio a vontade de perguntar: Quando você se olha no espelho vê alguém de quem se orgulha? Dizem que apenas os que são exemplo podem falar de outra pessoa, não é? NÃO! Ninguém tem o direito de falar sobre ninguém, meu bem. Se você julga alguém e fica rotulando-a de algo, sinto informar, já está errado. Pode até se orgulhar do que vê no espelho, pode ter uma beleza estonteante e se adequar nos padrões que você mesma acredita, mas a beleza que vem de dentro e ninguém consegue vê, tá difícil de confiar que possa haver.

Enquanto você se preocupa em dizer o que pensa que sou por aí, eu vou vivendo. Vivendo sem me preocupar com tudo o que você quer que todos acreditem que eu seja. E olha, muito do que diz a meu respeito não me ofende e até me chama a atenção, ser independente sempre será algo que farei presente na minha vida. Não há problema em nada do que eu faço. Uma grande porcentagem do que dizem nem é verdade. Sou feliz com cada escolha que fiz durante todos esses anos. Minhas atitudes são de responsabilidade minha e mais ninguém, se alguém tiver que se prejudicar com elas, sou eu. Então por que você se importa tanto?

Posso te dar um conselho? Vá viver também!

Te garanto que não irá ganhar nada de bom falando coisas a meu respeito que você nem sabe. A vida é curta demais para ser perdida tachando alguém por seus gostos, meu bem. Eu sou eu, sou minha e de mais ninguém. A opinião alheia nunca afetou o que acredito, nem quem sou. Eu sou assim e tenho muito orgulho de mim! Desculpe viver a minha vida diferente do modo que você escolheu, só quis deixar bem claro que eu não sou o rótulo que você me deu.

Libriana de 21 anos que mora na Bahia e transforma tudo o que sente em palavras. Quer me conhecer melhor? Vem ler meu blog: O que sinto em palavras.

Comments

comments

Talvez você goste de...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *