telEMPATIA?

telEMPATIA?

Por trás da tela,
sorrisos e abraços
efêmeros, para registro

De olho nela,
curtidas e comentários
expostos, para registro

Ainda dá pra viver sem mostrar que se vive?
Torna-se repetitivo
sempre falar isso.
Eu só queria saber
se ainda há pessoas por aqui…

Que se alegram com simples gestos ou se emocionam com textos, filmes e livros.. Com histórias de amor, ódio, alegria e dor, que tratam da existência humana…

Parece que já não somos mais protagonistas de nossas vidas…

Após o incrível advento das “stories” do Instagram, o interesse na vida do outro dura no máximo 10 segundos… É a melhor maneira de nos atualizarmos às escondidas, assim não precisamos perguntar como ele está, já sabemos de imediato que está tudo bem… Certo?

Será?!

Talvez aquilo postado seja só a ponta de um iceberg, e haja um ser complexo cheio de ideias, questionamentos e emoções recolhidas, por não serem “legais” de mostrar. Mas eu devo estar errada.

Afinal, todo mundo é saudável, as relações são todas estáveis hoje em dia e ignorar é não precisar encarar conversas desconfortáveis, sabe? Só para não ter que discutir, para não entrar na cápsula do outro. Ora, não temos tempo para saber da vida de outra pessoa, as nossas atribuições já são muitas… Às vezes, nem temos tempo para nós mesmos…

Embora esteja realmente complicado focar em algo concreto, se ainda tiver voz, por favor, grite. Estou quase esgotada. Infelizmente, também contribuo para a liquidez do mundo moderno (obrigada, Bauman).

E você? Procura se mostrar aberto a alguém ou já desenvolveu relações telepáticas que demonstram empatia por si só?

– Clarisse Medeiros –
Instagram: @clahmilena

Esse é um texto colaborativo, um projeto aqui do site em que as pessoas mandam textos e nós postamos os que mais gostarmos, podemos omitir seu nome se preferir, só pedimos um mínimo de 450 palavras para textos, ou que os poemas estejam divididos em versos. Você pode entrar em contato pela chat da página, ou pelo email colaborativosqmt@gmail.com, só coloque no assunto “texto colaborativo”.

Comments

comments

Talvez você goste de...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *