Uma carta ao passado

Quisera eu ter coragem de te escrever uma carta. Já que por mensagem no celular não deu certo e você sabe que eu sempre fui romântica demais. Uma carta diria tudo e mais um pouco, mas você sabe que minha timidez me impede de fazer muitas coisas. Ir atrás de você é uma delas. Mas deixemos todas as minhas esquisitices de lado. Se eu tivesse toda a coragem do mundo, minha carta para você seria mais ou menos assim:

Querido amor do passado,

Te escrevo porque já não aguento mais. A saudade aperta a cada dia e olhar para nossa foto já não resolve mais. Esses dois meses se tornaram pequenos perto da minha saudade. A chuva cai e já não dói mais como antes. Tanto tempo não foi o suficiente para te tirar de mim, mas foi suficiente para amenizar. Não o amor, isso nunca. Todo o pouco que vivemos parece muito agora. Foi tudo o que me restou, lembranças. Por isso não abro mão de nenhuma delas. Cada detalhe é muito.

Escrevo porque já não dá mais. Não dá mais pra sair na rua e procurar seu rosto em cada pessoa. Não dá mais pra sentir meu coração acelerar cada vez que vejo alguém parecido contigo. Ou quando sinto seu cheiro assim, do nada. O melhor que já senti até hoje. Não dá mais pra ficar triste a cada verso de uma música que descreva nós dois. Não dá mais pra aturar todos esses garotos chatos que resolvi conhecer na tentativa de achar um pedacinho seu em cada um deles. Não dá mais pra aguentar essa sensação de não saber o que foi que houve. Porque numa hora você estava aqui e em outra, lá.

Espero que você saiba que eu sinto falta de cada detalhe. Sinto falta de como você me olhava todas as vezes em que meu rosto ficava vermelho de tanta vergonha. Sinto falta de nós dois no meio daquela multidão, ninguém mais importava. Sentia como se estivéssemos a sós. Mais do que tudo, sinto falta do seu abraço apertado, do seu beijo lento, da sua mão na minha.

Muitas coisas aconteceram desde a última vez em que a gente se viu. Boas e ruins. Todas elas teriam ficado melhores e mais bonitas com você ao meu lado. E cada por do sol teria sido mais mágico com um beijo nosso na beira do mar.

Nunca tive chance de te dizer, mas além de ser médica, sonho também em ser escritora. E se um dia algum doido resolver publicar todas essas bobagens que escrevo, pode ter certeza que um rastro da nossa história vai estar em cada texto. Em cada parágrafo e em cada frase. Com uma dose da tristeza que você deixou ao me deixar aqui.

Pode parecer estranho, mas repasso todos os nossos passos todos os dias antes de dormir. É difícil me acostumar com sua ausência, já que sua presença transformou meu mundo em outro. É mesmo tão difícil… Quase impossível me acostumar com os casulos de antes, porque agora todas as borboletas se foram junto com o seu sorriso.

Queria te dizer que não entendo nada. Porque você resolveu se mandar, porque desistiu de tudo. Mesmo assim te espero todos os dias. Na rua, no shopping, no elevador, nos sonhos. Pra sempre e sempre. Assim mesmo, com todo o clichê do mundo.

 

Taurina, viciada em Greys Anatomy e Taylor Swift, estudante de direito por obrigação e escritora por amor.
Dona do Palavras e Clichês

Comments

comments

Talvez você goste de...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *