Um texto pra você que não se acha importante

Ei, meu bem, fiquei sabendo que você não está se achando importante. Podemos conversar um tico?

Podemos?! Jura?! Ebaa!

Olha, desculpa invadir tua intimidade, mas eu já me senti assim também. Foi uma época horrível, eu pensava que ia morrer, mas olha eu aqui, vivo e me sentindo importante pra mim e pro mundo.

Eu preciso te contar que foi um longo processo, foi um caminho que pensei em desisti diversas vezes, mas sabia que o único prejudicado seria eu mesmo.

Mas o que está acontecendo? O trabalho não tá legal? O namoro tá meia boca? Descobriu uma tiração? Foi trocado? A faculdade tá te deixando sem cabelos? A relação com tua família anda meio ruim?

Confia em mim? Bora colocar tudo isso pra fora e te prometo que no final desse texto, tu vai ser e se sentir importante pra pessoa mais importante da tua vida.

Bora lá?

Pra começar, eu queria que você se sentisse abraçado. Um abraço bem forte daqueles que estala a costela. E agora, queria te dizer que cê não tá só nessa, tem um tantão de gente se sentindo como você, todo dia, a todo momento, e que tudo isso que tu tá sentindo vai passar, e quando passar, tu vai olhar pra trás e se sentir grato por ter passado por tudo isso.

Você pode não perceber, mas esse momento é como se fosse um casulo, é um momento de introspecção, de não se sentir capaz, de não se sentir visível, de não se sentir importante.

Dentro do nosso casulo, podemos chorar a hora que quisermos, dormir quantas horas quisermos, falar o que quisermos, e é isso que muitas vezes, nos faz querer que esse momento dure pra sempre e seja eterno.

Mas ó, ficar preso nesse casulo só tira tua beleza, tua essência, tu.

O momento casulo é importante, mas é importante somente para observamos o que está acontecendo com a gente, a melhor parte do casulo é que quando ele é quebrado, tu se transforma numa linda borboleta voando tudo por ai. O casulo é o momento onde nos destruímos e construímos nossas asas lindas.
E eu sei que está difícil, que sair do casulo pode ser uma ideia um tanto quanto ousada, mas vamos tentar. E eu te digo também que todo mundo tem seu tempo e seu modo, não se culpe por não se sentir preparado pra isso, também faz parte. Se respeite, respeite seu tempo. Sempre.

Vou te dar dois desafios e quero que você me prometa que vai tentar cumpri-los.

Tá bem?

Eu quero que você pegue duas folhas de papel e em uma você coloque “bem” e na outra coloque “mal”. Fez? Ótimo!

Agora eu quero que você pegue o papel mal e escreva nele tudo que você pensa negativo de você. Tudo que você acha que não é capaz, que não é suficiente.

Leve o tempo que precisar, te esperarei o tempo que for. E se der vontade de chorar, pode chorar, meu bem. O choro é o maior sinal de força do ser humano.

Terminou? Como está se sentindo? Podemos continuar?
Sim? Então sigamos.

Agora, eu quero que você pegue o papel bem e nele escreva tudo aquilo que você pensa de positivo sobre você e tudo que você acha que é capaz, tudo que você acha que é suficiente. Leve o tempo que for preciso.

Tá mais difícil? Calma, não se culpe por isso, faz parte também.
Terminou? Como está? Podemos continuar?

Meu bem, queria te dizer que já sabia que o papel do bem demoraria bem mais. Sabe por quê? Porquê eu to vendo você aí desacreditando de você, jogando as fichas pro alto e se esquecendo. To vendo você desistindo da vida e o pior, desistindo de você. E olha, eu sei que, muitas vezes, os fatores externos e algumas pessoas são cruéis na nossa caminhada, que em alguns momentos, elas nos fazem querer sumir sem previsão de volta, mas olha, deixa eu te falar, o que elas fazem e nos dizem, pertence à elas.

Deixa eu te explicar melhor, eu já te falei que já estive nesse momento que nem você, né?

Pois bem, o que eu fiz para que tudo mudasse, foi apenas mudar a perspectiva. Eu apenas mudei toda a situação e aprendi que cada um tem uma cabeça, um momento, um jeito de viver que pode ser totalmente diferente do seu e está tudo bem. Eu mudei a perspectiva de achar que tudo o que os outros me falavam, diziam, me faziam acredita era o que realmente eu era e passei a entender que o que eles pensam ou falam de mim, são somente o que eles falam e pensam de mim, não sou eu. É apenas o conceito deles. O que eles pensam e falam de mim, não pertence a mim, pertence à eles. Única e exclusivamente à eles. E a partir desse momento, tudo começou a ficar mais leve, e eu pude, enfim, sair do casulo e voar com minhas lindas asas por aí.

É claro que houve outras mudanças que me ajudaram, como me aceitar, me amar e me reverenciar do jeito que sou. O que foi bem importante pra mim.

Agora vamos pro nosso último desafio.

Quero que tu pegue um espelho qualquer, pequeno, grande, o tamanho que for, só quero algo que te reflita bem. Pegou? Ótimo!

Agora eu quero que você se olhe nos olhos e se diga que nunca mais vai se sentir um peso, uma pessoa não importante e que nunca, mais ninguém vai te fazer acreditar nisso. Repete umas três vezes, e sempre que necessário, e se der vontade de chorar, tudo bem, também faz parte. Se perceba, toque seu rosto, sua pele. Se sinta. Veja o ser lindo que você é e que está escondido dentro do casulo. Se note, se ame, se reverencie pelo que você é. Veja que você é a pessoa mais importante pra pessoa mais importante da sua vida: VOCÊ! E isso basta. Isso te basta, meu bem.

Agora, eu quero que você pegue aqueles papéis que pedi pra você escrever e que rasgue-os, com todas as tuas forças ou que queime-os. Observa que o papel grandão agora é somente pedacinhos de papéis picados, que é somente pó, do fogo que os queimou. Viu o quão mísero era tudo isso que você achava de você? Os pedacinhos de papel são todas as pessoas que fizeram que tu acreditasse que tu não era nada, que tu não era importante, mas tá vendo como era tudo uma ilusão? Tá sentindo o quão importante tu és? Tá vendo a lindeza do teu ser e tua importância pro mundo? Tá vendo que tu és importante pra pessoa mais importante do mundo pra tu?

Agora sai desse casulo que o mundo quer ver a beleza das tuas asas. Voa, voa, borboleta.

Então, meu bem, eu fico por aqui, foi muito bom falar contigo e fazer tu re-acreditar em tu, estou extremamente feliz, e mais uma vez, não esqueça, eu sempre acreditei em tu e nessa força gigante que tu tem dentro de ti e nem sabia que existia.

 

De Recife, porém, do mundo. Libriano, meio aquariano. Ama o mar, amar e meditar. Apaixonado por suco de uva, sorrisos, meias coloridas e cheiros no cangote.
Adora finais, mas ama recomeços e voltas por cima. Escritor por vida e por decepções alheias. Tem um pé no chão e outro no budismo. Hey, finge que somos velhos amigos e vamos conversar um pouco.

Comments

comments

Talvez você goste de...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *