A vida e suas possibilidades de sermos felizes

Nós e nossa mania de impedirmos tal felicidade. Acho que está pra nascer “bicho” que use mais da autossabotagem do que alguns de nós, serumaninhos lindos, com o discurso pleno sobre o amor, mas que no mais breve indício dele, já arruma mil maneiras de fugir. E se amedronta. Se apavora. Finge de morto, faz a egípcia, qualquer coisa que o esconda dele mesmo. Mas a quem mesmo estamos enganando?
Se você também é um desses serumaninhos, caro leitor, vamos combinar uma coisinha aqui: Permita-se.
Conheceu um boy amorzinho que cuida, demonstra afeto, não faz joguinhos e parece ter muito carinho a oferecer? Se joga! “Pula nesse cometa e vai ver as estrelas”. Sonhe, converse, se lance, deixe-se aproximar. Por que não? Além de você mesmo, o que está te impedindo de ser feliz?
Temos a falsa ilusão de que o grande amor de nossas vidas virá em um cavalo branco, num carro mágico, numa carruagem maneira, ou com uma simples faixa na testa escrito: SOU EU.
Mas não, colega. O amor de nossas vidas pode estar do seu lado há anos e você ainda não percebeu. Pode ser um amigo antigo, um amigo de infância, um mero conhecido, alguém que você nem imagina que possa sentir um turbilhão de sentimentos, mas acredite, pode. E em algum momento da vida isso vai explodir.
O amor das nossas vidas pode chegar de mansinho, sem alarde, sem barulho, sem enormes tempestades de paixão. Pode construir um sentimento dentre tantos outros. Pode simplesmente deixar a vida rolar, e quando vocês se perceberem, estarão aí, conectados.
O amor de nossas vidas é só uma escolha dentre tantos amores que essa vida (que é bonita e é bonita!) nos apresenta. E ela requer de nós coragem, disponibilidade e muita, muita vontade de viver. De sentir. De apaixonar-se. De amar até transbordar.
E quer saber? Que te transborde!

Virgínia Caeli

Comments

comments

Talvez você goste de...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *