Queria que você estivesse aqui

Eu queria que você estivesse aqui para me ver no vestido florido novo que comprei. Queria que você estivesse aqui para experimentar o macarrão que aprendi a fazer assistindo o master chef.

Queria que você estivesse aqui para me ouvir contar sobre como consegui quebrar pela milésima vez a tela do meu celular. Ouvir seu sermão me dizendo que sou descuidada e um perigo até para mim mesma e ouvir você rir em seguida quando eu tentasse justificar esse meu jeito colocando a culpa no meu signo.

Queria que você estivesse aqui para te enviar o link da música nova que a nossa banda preferida lançou e comentar com você sobre as referências do clipe. Queria te contar desde as coisas mais bobas do dia a dia, como ter aprendido assoviar ou contar que consegui um emprego incrível. Queria que estivesse aqui para discutir “Marvel X DC” comigo, e para eu conseguir te convencer com os meus argumentos infinitos que a mulher maravilha sozinha já vence qualquer outro herói.

Mas você teve que ir embora. Você encontrou motivos para ir embora e foi. E eu, bom, eu queria que tivesse ficado.

Fazendo parte dos meus dias e vivendo as histórias cotidianas de um casal normal. Maratonando nessa série preferida, deixando marcado na porta da geladeira o que faltava comprar quando fossemos no supermercado mais tarde. Acordando mais cedo para preparar meu café, pois sabe como acordo irritada procurando uma xícara grande e cheia dele. Queria que você estivesse aqui para que pudéssemos ser esse casal normal. Eu nunca me importei de estar sozinha, de beber meu café sozinha, de dividir os momentos bobos do dia só comigo, eu sempre amei a minha solidão. Mas a solidão que você causou é diferente. É como se você tivesse ido embora e levado os únicos planos em que eu me encaixava, levado com você as únicas cenas nas quais eu poderia ser realmente feliz.

Queria que tivesse ficado e enfrentado as fases difíceis. Enfrentado o mundo de mãos dadas comigo. Que tivesse insistido no nosso “felizes para sempre” e não ido quando ele não parecesse ser tão feliz assim. Queria que tivesse ficado para me dar “bom dia” na manhã seguinte e segurar minha mão quando eu tivesse tendo um pesadelo de madrugada. Mas você preferiu partir e me deixar vivendo esse pesadelo sozinha.

E agora eu não sei o que fazer com essa saudade, nem com os planos que traçamos, não sei aonde guardar o porta-retrato que continua na mesa de centro da sala e nem com todo esse amor que reservei apenas para você. Não sei como lidar com essa versão minha que você deixou. Mas por hora, guardei tudo na gaveta, quem sabe nessas idas e vindas você perceba que não deveria ter ido e quem sabe decida voltar. Talvez eu ainda esteja por aqui ou talvez eu já tenha partido, depois de ter cansado de esperar.  

Talvez você nunca conheça o meu novo vestido florido e nem cumpra o restante dos planos que um dia fizemos juntos. Talvez eu precise me adaptar a essa nova solidão que você causou. Não sei. Mas por hora, coloquei o vestido florido e fui preparar a receita nova de macarrão que havia aprendido. Afinal minha vida precisa continuar, você querendo estar aqui para viver tudo isso comigo ou não.  

21 anos, garota do interior, puxa bem de leve o ‘R’ na hora de falar. Viciada em café recém passado, seriemaníaca de carteirinha, apaixonada pelo céu, pelo Sol, por cachorros e pelo Dan, é claro. E escreve também no “O mundo da Lari”.

Comments

comments

Talvez você goste de...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *