Um texto pra você que anda meio triste

Oi. Tudo bem? Como está?

Vem cá falar comigo, sei que algo não tá bem, cê tem andado um pouco triste ultimamente. O que houve? É a escola/faculdade? Brigou com o parceiro(a)? Brigou com os pais? Com o melhor amigo? É a rotina que tá te deixando assim? Me conta, ou melhor, se conta. Talvez você só precise ouvir e perceber que é um motivo, porém, é pouco pra vida linda que tu tem e que tu terá.

Eu vou te prometer que você vai dar um ou dois sorrisos nesse texto e que talvez tu até reflita sobre algumas coisas, e por mais que pra você seja algo pequeno, posso te garantir que já é um bom começo e eu acredito em você.

Eu te entendo, porquê eu já fiquei assim, às vezes, bate uma tristeza e a gente, muitas vezes, não sabe o motivo, parece que a gente tá se sabotando, mas nem sempre é isso, mas, às vezes, é. Pois é, a gente se sabota muito, algumas pessoas, o tempo inteiro. O motivo? Pode ter vários, na verdade, infinitos.

Mas voltando, eu já fiquei triste porquê briguei com meus pais, porquê acabei um namoro, porquê eu estava cansado da faculdade e até porquê eu já briguei com meu melhor amigo, e deixa eu te falar, tudo isso fez parte pra eu ser quem eu sou hoje, a gente acaba não percebendo, mas todas as nossas alegrias e dores nos moldam para sermos o que somos hoje. O seu eu de hoje, é reflexo de tudo que você viveu. Entende?

A tristeza é uma parte importante no nosso desenvolvimento. Hoje em dia, eu não fico muito triste, porquê acredito que acabei criando um método pra aceitar mais as coisas que me acontecem (sejam elas boas ou ruins), e isso acabou facilitando um pouco a minha absorção em relação aos sofrimentos, mas te digo, que foi um longo caminho até eu perceber e por em prática essa aceitação. Como vinha dizendo, o sofrimento é muito importante para nosso crescimento, e não se assuste, eu vou te explicar melhor. Quando a gente tropeça em algo na rua, e esse é o nosso percurso diário, a gente no outro dia, já sabe onde tropeçamos e evitamos tropeçar novamente, certo? Então, a dor, o sofrimento do primeiro tropeço te fez mais forte e atento para que você não tropeçasse mais. Pode acontecer de você tropeçar no mesmo local outra vez? Pode sim, mas as chances serão bem menores, concorda?

A mesma coisa é com a vida, com as nossas tristezas e nosso sofrimento, depois de um tempo, caminhando no nosso mesmo “percurso”, sabemos o que pode ou não acontecer, ou imaginarmos onde poderemos sofrer. A tristeza é algo que nos molda, que nos torna mais fortes, mais atentos e mais propensos a aprender.

Posso te propor um exercício pra tu tentar se livrar da tristeza, caso tu não queira viver, e se sentir mais leve?

Posso? Eba!

Faz assim ó, pega um espelho, se olha nele e percebe o ser lindo que tu és. Se olha nos olhos e se conecta contigo mesmo. Se percebe, se ama e se aceita do jeito que é. Se reverencia pelo que tu é. Isso vai mudar um bocado no .
E olha, se tu não conseguir na hora, não tem problema, todo mundo tem seu tempo e tu também tem o teu. Fica tranquilo, não se culpa tanto, não se castiga tanto, não se maltrata tanto.

Não se sinta diferente ou se culpe por estar andando triste, isso é normal e te garanto, todo mundo passa por isso, alguns escondem que estão tristes, porquê somos acostumados a não sentir dor, ou pelo menos, a não demonstrar, porque dizem que é coisa de gente fraca, de gente sem força. Mas pra se permitir estar triste tem que ser uma pessoa muito foda, uma pessoa muito forte. Como te disse, não tem problema estar triste, o problema é você fazer desse momento uma vida e permanecer na tristeza o tempo inteiro. Sua vida é linda pra você ficar triste pelos cantos o tempo inteiro. Você é necessário demais pra gastar tuas energias sofrendo o tempo todo. Sofra, se permita estar triste, mas não torne isso um estilo de vida. Aprenda, observe e aceite o que vier, tudo vem por algum motivo. Viva, e agradeça por estar tendo essa oportunidade. Tá bem?

Um cheiro pra tu e espero que tu comeces a olhar pra tristeza com outros olhos, de outro modo.

De Recife, porém, do mundo. Libriano, meio aquariano. Ama o mar, amar e meditar. Apaixonado por suco de uva, sorrisos, meias coloridas e cheiros no cangote.
Adora finais, mas ama recomeços e voltas por cima. Escritor por vida e por decepções alheias. Tem um pé no chão e outro no budismo. Hey, finge que somos velhos amigos e vamos conversar um pouco.

Comments

comments

Talvez você goste de...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *