Então você a deixou ir (de novo)

Já bebi ao menos uns dois litros de café para tentar compreender o que houve, ou que ainda está havendo, ou que poderia haver… Meu Deus, qual seu problema?

Sente-se, mas antes pegue um suco de laranja. Isso mesmo, suco de laranja. Ao fim da conversa você compreenderá.

Rapaz, onde mais você encontrará olhos que te olhem com tamanha ternura como aquela? Olhos que sorriem ao te ver, sem disfarces, sem entraves, sem mentiras. Apenas olhos apaixonados, entregues ao seu olhar na expectativa de receber litros de retribuição. Talvez esse tenha sido o problema: ela esperou uma chuva enquanto você armazenava apenas algumas poucas gotas.

E por favor, diga a mim, haverá mais alguém capaz de tocar sua alma com as palavras? Logo você, um muro de concreto sempre forte e inabalável encontrou naquelas pequenas mãos a maior fraqueza desta vida. Quem diria que a brisa de uma respiração ofegante seria o suficiente para abalar suas estruturas ao ponto de pôr por terra toda e qualquer defesa? Quem diria que sua maior perdição seria a curva de um sorriso sem malícia vindo de uma garota que mais parece um anjo sem asas.

Quando sentir o frio do inverno você há de lembrar do calor do seu abraço e vai desejar profundo ter mais uma vez aqueles braços finos afagando suas costas. E à noite, quando caminhar em ruas escuras, vai lembrar de como sua clareza sobre a vida era capaz de iluminar o breu de seus pensamentos. Eu garanto: não haverá um dia em que não se lembrará dela e de suas manias tão simples e ao mesmo tempo tão carregadas de história e essência.

Vai lembrar do gosto doce de seu beijo quando tomar sorvete, e de sua risada alta cada vez que alguma coisa lhe divertir. Vai lembrar de suas reflexões quando assistir a um novo filme da Marvel, e do peso de sua cabeça recostada em seu ombro quando estiver sozinho em sua cama ouvindo ColdPlay.

E à noite, olhando o teto de seu quarto, vai agonizar ouvindo o grito de seu silêncio, de sua falta de informação sobre o dia corrido que antes fazia parte do seu dia também. No amanhecer, acordará esperando por uma mensagem que não chegará, e ao meio-dia vai lembrar-se de como ela gosta de frango frito e Coca-Cola.

Agora, nesse exato minuto, pode até parecer que não, mas a rotina vai lhe provar o quanto sua presença faz falta. Afinal, sempre foi ela a responsável por virar sua vida ao avesso e trazer um colorido novo a cada instante. Se não há borboletas voando, o campo parece incompleto; se não há quem lhe alegre, os dias parecem uma eternidade de horas passadas apenas pelo relógio.

Você a deixou ir… Mais uma vez. Você teve outra oportunidade de segurá-la em seus braços, beijar sua boca sempre que quisesse e lhe entregar flores, mas preferiu transformá-la em saudade. Você foi eternizado em seus pensamentos, e a eternizou em canções que serão tocadas e farão seu coração sangrar a ausência de quem tentou de toda forma estar perto.

Tudo bem, você teve medo, e sua insegurança fez boa parte do serviço, mas bem, tenho lhe dizer: ela compreendeu seus medos, inseguranças e incertezas antes mesmo de você dizer o que sentia. Ela nunca soube o destino, e mesmo assim optou por imaginar uma vida que se findaria segurando sua mão.

Estranho seria se você não sentisse sua falta, mas eu sei que sente (e ela também sabe). Sim, ela sabe, pois te conhece mais que a palma da mão. Ela sabe o quanto se sente insignificante diante da grandeza de seu sorriso, e sabe também que a seus olhos ela merece alguém que lhe dê o mundo, mas o que ela quis foi apenas que você se enxergasse da maneira como ela enxerga. Que fosse capaz de ser esse homem que além do coração lhe daria o tempo e o sobrenome, mas você não foi.

Pegue seu suco; perceba, ele está começando a amargar. O ácido da laranja é responsável pelo processo. Depois de espremido, o suco deve ser consumido imediatamente para evitar o sabor amargo. O que estou dizendo é que assim como este suco você amargará. Vai sentir o gosto amargo de vê-la sorrir para outros olhos, e observá-la apreciar outros sorrisos, lembrando como era doce à maneira que segurava seu rosto entre as mãos e dizia lhe amar.

Ela ficará bem; é como uma árvore: tem raízes profundas. Sentirá sua falta com a mesma força que uma criança quer a companhia do ursinho que ficou em casa, e desejará de corpo e alma que você a procure, mas desejará ainda mais que se o fizer dessa vez seja diferente (de verdade). Mas ela ficará bem. Ela sempre fica.

Enquanto isso, pense que ela queria apenas segurar sua mão e conversar sobre a chuva de verão que de repente nos encontra na estrada. A seu ver, seria ótimo sentar numa rocha qualquer e bagunçar seu cabelo pensando sobre que música melhor combina com o momento. E quando escolhesse a música certa, ela cantaria para você, ou ao menos lhe enviaria a letra, para que soubesse que cada uma daquelas linhas parece ter sido escrita por ela mesma.

Ela nunca quis muito; bastava-lhe apenas seu amor sincero, rapaz. Mas aparentemente a você isso não bastava.

Ela é a menina que grita em silêncio, e desenha em palavras o uni-verso. A Deus tudo atribui e, dele, tudo recebe. Sempre flutuando em outros mundos, mas com os pés fixos neste aqui. Como canta Ana Carolina: "é que eu sou feita pro amor da cabeça aos pés, e não faço outra coisa se não me doar". Curta @Textandoemocoes

Comments

comments

Talvez você goste de...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *