Temo as lembranças e faço de tudo para ignorar qualquer resquício seu que tenha ficado em minha vida. As suas roupas que continuam aqui em casa, eu sempre jogo em algum canto escondido não querendo mais vê-las, mas ao mesmo tempo morrendo de medo que venhas buscá-las. Já joguei fora os teus perfumes e confesso que um ou dois livros eu aproveitei para a minha coleção. O vinho que deixaste, despejei metade na pia do banheiro, pois o resto bebi de só vez ao chorar e recordar as tuas lembranças.

Juro que tentei, sabe? Mudei meus hábitos e horários. Larguei meu serviço e procurei outro que não me lembrasse de como era estar ao teu lado. Comprei acessórios e mudei as cores das paredes. Cortei meu cabelo, atualizei a playlist do celular e até refiz aquele velho vestibular do qual já havia desistido, mas parece que nada consegue te apagar do ambiente, ou pior ainda, de mim…

E de nada adianta todas as noites em que eu me afogo dentro de um mar de recordações que tiram o meu ar em questão de segundos. Encontro-me sempre na bebida, que amarga, combina tanto com a minha vida. Desisto de tentar e resolvo apenas aprender a lidar com o fato de que não vai ser tão fácil conseguir te esquecer. Talvez um dia, depois de um porre tão forte que me cause amnésia, ou em algum outro momento, em que o meu coração tropece de vez e esqueça-se de levantar, te deixando perdido em um cantinho qualquer, onde desde sempre, deverias estar.

Mas até lá…

Eu vou continuar a te amar, pois independente de tudo, fizeste morada em meu peito antes mesmo de decidir ficar. Prometeste amor eterno sem nem saber o real significado da palavra amar. Trouxe-me esperanças de uma vida sem fim, já querendo acabar com todos os planos que eu havia planejado dentro de mim. Foi embora sem sequer olhar para trás e deixou no caminho apenas o vestígio da saudade que é viver sem te encontrar.

 

Mais uma adolescente vagando pelo mundo com o desejo de tocar o coração de alguém com palavras simples, fortes e verdadeiras.
Apaixonada por café e leitura, sigo o meu caminho escrevendo minha própria história, ou a sua, ou a de qualquer pessoa que me faça sentir!

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *