Eu acho tão errado começar uma carta com “ex-amigo”. É que amizade é eterna, mesmo que não dure, compreende o contexto do que quero te dizer? Me deixe ser mais clara: amizade mesmo que acabe o assunto e cada um siga seu caminho, aconteceu, criou um laço e vai ficar marcado. A história em si vai ficar na memória e comigo funciona assim: mesmo que você fale comigo na fila de uma padaria depois de 5 anos, te tratarei como se tivesse falado com você ontem mesmo.

Eu não sei excluir as pessoas da minha vida sem motivos e assim de uma hora para a outra. Eu não sei cortar um laço que não era para ser cortado. Eu não sei colocar um ponto onde seria um novo parágrafo. E é por isso que te escrevo, querido eterno amigo.

Lembro quando eu escrevi uma carta para o meu passado e quando te mostrei você logo disse “vivo para conhecer alguém que fale sobre mim como você fala do seu amor nessa carta”. Não havia percebido a ironia que a sua frase poderia ter. E sim, eu sei que você nunca disse em tom irônico. Mas veja bem… Não necessariamente você precisaria receber uma carta de um ex-amor para se sentir tão especial.

Eu sinto a sua falta.

Eu sinto falta das suas histórias malucas que pareciam sair diretamente do fundo da sua imaginação, mas que na verdade eram tão reais. Sinto falta de ouvir você reclamando que queria largar a vida de solteirão, mas que não conseguia encontrar ninguém interessante. Eu ria, sabe? Ria porque você vivia procurando preencher o teu coração com as pessoas erradas. Eu ria porque você parecia tanto comigo em alguns aspectos e em outros parecia que simplesmente nossa afinidade jamais existiria por perfis tão discrepantes.

Eu sinto falta da forma como confiávamos um no outro, sabe? Você não precisava fingir ser desapegado e durão perto de mim e eu nunca precisei fingir ser forte e menos dramática. Sinto falta de você querer que eu instale LOL no meu computador para me ensinar a jogar e eu sempre procrastinando. Eu sinto falta de quando queria te contar algo muito empolgante e no meio da minha história você já contava o final, e quando eu te questionava como você sabia, você vinha com aquele seu tom de cansaço “porque tu já me contou isso umas duas vezes”. Eu achava engraçado quando você me dava outra resposta, que normalmente era algo como “um passarinho me contou”. Eu era tão esquecida, né? Ainda sou.

Sou tão esquecida que nunca perguntei seu signo, mas eu logo descobri. Capricorniano, né?. Acho que durante nossos anos de amizade eu mal te dei parabéns. Socorro, como sou desnaturada.

Lembra aquele show que fomos que saímos as 6 horas da manhã? A nossa parceria era foda. Queria ter aproveitado mais shows contigo, foi bom demais… Pelo menos para mim foi. Quem diria que você conheceria minha mãe às 6 da manhã, podre de cansado, após um show de rock foda e depois de uma bebedeira… Eu só me lembro que vocês se deram bem porque você me contou, dormi o caminho inteiro.

E falando em dormir… Eu confesso que poderia ter abdicado mais o meu sono e ter passado mais madrugadas dentro do teu carro conversando sobre assuntos aleatórios, chorando no teu ombro algumas vezes e brigando contigo porque vivias me mordendo e apertando…

O tempo voa e ele voou tão depressa. Eu pensei que seria eterno. Eu pensei que seguraria muito mais tempo na tua mão, que teu colo me salvaria mais um milhão de vezes, que nossas risadas ecoariam pelo teu carro por muitos anos a mais, mas não foi assim… Eu só quero que você saiba, querido eterno amigo, que você está guardado no meu coração e que minha porta estará sempre aberta para você. Ah e caso ninguém nunca te escreva uma carta de amor que te faça se sentir especial, saiba que amizade também é amor.

Catarinense, escorpiana fervorosa, intensidade e impulsividade são seu sobrenome. Já passou por bons bocados e escreve para poder ser a conselheira quando o coração tá doído e sem coragem de pedir ajuda, acredita no poder que as palavras têm. Vive em uma constante evolução espiritual e emocional. Você sabe o seu nome, mas nem imagina sua história, você lê suas palavras, mas é impossível saber o peso que elas têm para ela. E quando precisar soltar o que o coração grita: danieledenez@gmail.com

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *