Depois de tantas desilusões, eu comecei a me proteger. Foi ficando cada vez mais difícil de me entregar…

Isso me fez sentir saudades de quem eu fui. Confesso que era muito bom acreditar que o amor valia a pena e que alguém especial cruzaria o meu caminho. Acho que eu sorria com mais verdade. Eu tinha um certo brilho nos olhos.

Só que aí o mundo real me fez acordar… Eu me apaixonei por ilusões. Chorei por quem não era capaz de chorar. Amei quem não estava fim de amar. E essas pequenas decepções, uma após a outra, foram criando em mim um tipo de escudo, um medo quase que incontrolável de amar.

Um medo disfarçado de proteção.

Eu só quis me proteger… Eu precisava me defender. Assim eu me deixei levar pelo medo de me machucar. E acho que essa dose cavalar de medo não me fez nada bem. Talvez esse excesso de auto-proteção tenha me afastado de pessoas que não queriam me machucar. Eu as perdi. Não tenho como voltar atrás.

 

No entanto, aprendi também que sempre é tempo de recomeçar, olhar a vida por outros ângulos e tentar quebrar essas barreiras que a gente mesmo inventa.

 

Será que peguei muito pesado?! Será que vale a pena se fechar tanto assim por puro medo? Em que momento perdemos o controle da situação e nos tornamos escravos desse pânico de amar? Talvez seja hora de pegar leve e permitir que as coisas aconteçam. É claro que pode rolar uma nova decepção, seria ingenuidade achar que a dor não vai acontecer de novo, mas a vida tem que ser vivida, ainda que isso signifique encarar de frente o trauma de um amor perdido.

Vou te fazer um pedido: Olhe para dentro do seu coração e veja o quanto ele é sincero e leal. Existe aí dentro uma luz capaz de iluminar todos esses cantos escuros. Existe alguém, dentro de você, que está afim de aprender todas as lições que a vida tem para dar… Então por que se esconder? Novas histórias estão prestes a começar, por que evitar?! Você é forte e tem brilho o suficiente para ser feliz.

 

Se o medo surgir, ignore-o.

Se a solidão assustar, ame-se.

Se o amor acontecer, simplesmente ame.

E se a decepção doer, cure-se.

 

Não precisa ter medo de amar. Só tenha medo de não amar, ok?!

O medo também é uma ilusão, sabia?!

Pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e escritor se fundem no que ele escreve. Conheça o blog: www.hugoribas.com.br

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *