VOCÊ, pare.
É, você. Sim, você mesma.  Respire bem fundo, olhe nos meus olhos e me diga, qual o motivo de todas essas lágrimas? Não, não, não. Não abaixe o rosto, não vim te acusar. Na verdade, não cruzei meu caminho com o seu apenas por cruzar.
O que que tem? Você tropeçou outra vez? Imaginei. Já cansei de dizer que você tem mesmo essa mania de não olhar por onde anda. Deu um passo maior que aperna e acabou pondo tudo a perder, não foi? Parece que você não escuta mesmo.
Mas não venho brigar, então não se acanhe. Se acalme. Eu tô levantando a bandeira da paz aqui, ó.
 Você se lembra quando te ensinaram a dar um passo de cada vez com muitíssima atenção? Então. Isso não mudou porque você cresceu. A lição é a mesma: “Não corra se não souberes andar direito”.
  É assim na vida. Não tente pular os momentos ruins, porque mesmo que você não acredite e não enfie isso na sua cabeça dura, eles são importantes na sua vida. Não acelere, não se embaralhe, não embole um pé no outro. Sinta.
O que foi? Os momentos ruins doem? Eu sei! Doem muito, por sinal. Mas sempre passam e nos deixam com a incrível capacidade de valorizar os momentos bons, tornando-os bons para caralh*. É, com muita intensidade mesmo.
 Isso foi um esboço de um sorriso? Eu acho que foi, hein. Não, não esconda. Não é porque algo infeliz aconteceu que você deva permanecer infeliz também. Pelo contrário, há tantas outras razões pelas quais você pode dar uma boa gargalhada.
Eu sei que a vida não parece muito justa agora e você não entende o motivo, mas espera um pouquinho só, vai. Eu não sou louca, nem otimista demais, apenas te digo a verdade. Você errou hoje, e talvez você acerte amanhã.
Não, não é ruim. É ótimo. No dia em que você parar de errar, você nada aprenderá. Será mesmo que nunca te falaram que viver é aprender? É aprendendo que você coleciona histórias, experiências, vive muitas vidas em uma só. Não parece perfeito e nem pra parecer e muito menos ser. Nós mesmos não somos perfeitos. Todo mundo sofre e faz alguém sofrer, é natural. Nem sempre tudo acontece do jeito que você deseja, mas acontece mesmo assim e é seu dever entender e mudar algo sobre isso – se tiver como mudar, é claro.
Eu sei que as costelas doem, mas você vai conseguir se levantar. Se a vida te derrubou, foi porque sabia que você conseguia se reerguer sozinha. Se você tem problemas, vai saber resolvê-los. Você é forte e nem pense em me dizer que não, porque eu juro que dou meia volta agora mesmo e vou-me embora.
Você está sim machucada, ralada, sangrando. Eu sei que só quer um descanso. Mas a vida é curta, então mova-se. Levante-se devagarinho. Isso. Coloque-se de pé como uma guerreira. Deixe que seus olhos apreciem a vista. É o horizonte infinito de oportunidades que aguardam a sua chegada. Vá até lá, agarre-se aos seus objetivos. Confie em si mesma.
Olha só para você, dando alguns passos outra vez. Não, não precisa me acenar um “até logo” e muito menos me agradecer. Foi tudo você. Não precisa ter medo também. Agora você sabe, mesmo que tudo se pareça perdido, não está. Mesmo que se torne o fim do mundo, não é.
Mas e se você ficar sozinha? Ora, ora. Que sozinha o que! Você nunca estará sozinha se estiver na companhia mais importante, a sua. 

20 anos de muita história para contar, autora do blog DuzentasLinhas, residente do país das maravilhas e escritora nas horas vagas – nas outras também. Geminiana, sonhadora, avoada, estudante de psicologia, especialista em matérias impossíveis e completamente apaixonada por pessoas, flores e tudo que há de belo no mundo. Acredita em fadas, sereias e em um amor que cura todos os males. Você pode encontrar meus textos nos blogs mais lindinhos da internet
e-mail aberto para corações: duzentaslinhas@gmail.com

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *